Mercado imobiliário: a influência das mudanças comportamentais da sociedade com a metragem dos apartamentos atuais.

Se há 20 anos o cenário era bem diferente do atual, a causa não está apenas na economia, mas também nas mudanças comportamentais.

Para compreender o que move o mercado imobiliário, é preciso analisar a economia nacional e a maneira como a sociedade contemporânea está se organizando. A alta dos imóveis no Brasil atingiu as maiores taxas do planeta nos últimos anos, colocando o país no topo do ranking mundial em 2010, com valorização de 25%, em segundo lugar em 2011 e em quinto no ano passado. Isso signifca que os preços subiram – praticamente duplicaram desde 2009 – disseminando a necessidade de abrir mão do espaço para conseguir comprar um apartamento nas metrópoles. Isso é resultado da maior demanda e da escassez de terrenos. Medidas adotadas pelo governo para facilitar a compra, como o programa Minha Casa Minha Vida, também trataram de aumentar a procura por unidades econômicas de baixas metragens. Com financiamentos chegando a 35 anos e juros de crédito imobiliário no nível mais baixo das duas últimas décadas, uma fatia da população que não conseguia comprar antes pode agora dar entrada na casa própria. “Existe, por outro lado, uma mudança no perfil do consumidor de apartamentos. Há pouco mais de dez anos, se tratava quase só de famílias com filhos. Hoje, a gama é diversa, em razão do crescimento urbano, da maior mobilidade e do foco no trabalho”. Além das famílias tradicionais, existem casais sem filhos, estudantes e empresários fora de sua cidade ou de seu país de origem, amigos vivendo juntos e uma fração expressiva de solteiros. Segundo o portal internacional de pesquisa de tendências WGSN, um terço da sociedade estará morando sozinho em 2026. O cenário indica uma maneira de habitar mais compacta, que chega acompanhada de novos hábitos. Mas é preciso que o desenho das moradas siga os desejos dos consumidores e a vida atual. Entenda o momento a partir dos dados expostos a seguir.

Os lançamentos de apartamentos em 2012 comprovam que a área está diminuindo.

 

Fonte: Embraesp – realização Secovi-SP

Fonte: Embraesp – realização Secovi-SP

Se somados, os apartamentos com até 109 m² entregues no país no ano passado representam 90% do total, e as unidades acima de 110 m², apenas 10%. Os números nas grandes metrópoles são ainda mais acentuados.

As unidades com dois dormitórios seguem liderando. E as construtoras apontam a força de um novo nicho: apartamentos de luxo com um dormitório que funcionam como Flats nos grandes centros.

Fonte: Embraesp – realização Secovi-SP

Fonte: Embraesp – realização Secovi-SP

No ano passado, os mercados imobiliários que mais cresceram foram Vitória (25%), Porto Alegre (18%) e Rio de Janeiro (15%). Apesar de mais expressivo, São Paulo caiu 7% em relação a 2011.

Fonte: Embraesp – realização Secovi-SP

Fonte: Embraesp – realização Secovi-SP

 

 

Fonte: Casa Abril

Atleta apoiado pela Konkreta ganha medalha de Bronze em Open de Jiu-Jitsu

O lutador Marcos Tulio, conquistou o terceiro lugar no peso e absoluto no Rio Internacional Open de jiu-jítsu, disputado no último fim de semana no Rio de Janeiro.

O faixa preta que já acumulou vários títulos, e que tem o apoio da Konkreta Construtora, ganhou medalha de Bronze na categoria Master 3 Meio Pesado, e perdeu por uma vantagem para o Campeão Eduardo da Conceição (Jamelão), que já formou diversos atletas e já foi várias vezes campeão mundial.

O Rio Open de jiu-jítsu é organizado pela International Brazilian Jiu-Jitsu Federation (IBJJF), e irá ocorrer nos dias 31 de julho, 1, 2, 3 de agosto deste ano.

Além de lutar, Marcos Tulio também dá aulas, tem um projeto social com Jovens da comunidade Palhocense e é árbitro em campeonatos de Jiu-Jitsu da região. Sempre dedicado ao esporte e à sua causa, já participou de competições a nível internacional, agencia lutas e treina seus atletas para Campeonatos de Jiu-Jitsu e eventos de MMA.

No próximo dia 09 de Agosto, irá acompanhar um de seus pupilos no Jungle Fight, que será realizado pela primeira vez na cidade de São Paulo, e sua aluna e esposa Luana Souza no X Fest, que irá ocorrer dia 10 de Agosto no Petropole Tenis Clube, na cidade de Porto Alegre. Luana que já acumula vários títulos, também tem o apoio da Konkreta Construtora.

Parabéns a nossos Atletas, nós apoiamos esta causa!

Decoração com Artesanato

Artesanato é o produto do trabalho realizado por um artesão, utilizando ferramentas simples, em pequena escala e executando todas as etapas da produção: do projeto ao acabamento final da peça.
Diferentemente dos produtos industriais, a peça artesanal possui forte identidade por ter características únicas.
Exemplos de artesanato: pinturas (em cerâmica, madeira, vidro, metal,…), patchwork, biscuit, tecelagem, dentre tantos outros exemplos.

> Artesanato: um produto sustentável

Valorizar o artesanato local é uma atitude sustentável: estimula o uso de materiais locais (como fibras naturais e barro), a reciclagem e o emprego de várias pessoas (inclusão social e mais renda).
É um produto da cultura popular e diretamente ligado à sustentabilidade social, econômica e ambiental.

> O Artesanato na Decoração – uma Tendência Atual

Peças artesanais trazem personalidade à decoração. Podem ser utilizadas junto com outras peças de design, conferindo vida e estilo aos ambientes
Ao criar um contraste com outros elementos, como móveis revestidos com laca branca, criam efeitos interessantes e estimulam os sentidos.

O artesanato é uma tendência da decoração atual:
Está ligado à ideia de reciclar e reinventar;
◦Utiliza matéria-prima nativa – ecologia / sustentabilidade;
◦Está diretamente relacionado à cultura popular;
◦Estimula fortemente os sentidos – sensorialismo;

> Como Utilizar o Artesanato na Decoração?

As cores e as texturas do artesanato quebram a rigidez de móveis retos, trazendo calor e aconchego para os ambientes.
Confira abaixo algumas ideias e dicas para sua decoração:

– Mandalas: o ideal é criar composições utilizando 2 ou 3 objetos. Podem ser fixadas na posição horizontal, vertical ou ainda “soltas” criando um volume diferenciado. Onde utilizar? Halls de entrada, salas de estar e jantar, cozinhas e escritórios.
– Painéis e Quadros: se optar por um painel de tamanho grande e horizontal, deverá escolher apenas uma obra, pois será o ponto focal do ambiente. Se forem objetos menores, poderá criar composições formando uma figura maior a qual também será um ponto focal de interesse decorativo. Onde utilizar? Quartos (atrás da cama), salas de jantar (na parede principal da mesa de jantar ou na parede do aparador), salas de estar (atrás do sofá) e escritórios (em uma parede que tenha destaque, que seja vista a partir da porta de acesso principal).
– Artesanato Têxtil: Almofadas coloridas conferem aconchego e vida ao ambiente. Servem como apoio para a cabeça, para os pés e para as costas. Onde Utilizar? Em salas de estar, salas de TV e quartos.
– Artesanato em Madeira: potes servem petiscos e gamelas (tigelas) podem ser utilizadas como fruteiras ou para servir.
– Cerâmica: pode ser decorativa ou utilitária. É um elemento delicado e charmoso. Remete ao passado e gera a sensação de conforto e bem-estar caseiro.
Ideias para sua Decoração

Inserir peças de artesanato na decoração não é uma tarefa difícil, mas exige atenção e sensibilidade. Veja algumas peças artesanais que podem agregar na decoração.

 

FONTE: do Fórum da Construção

Empresas são orientadas sobre resíduos da Construção Civil

Dar o destino correto aos resíduos gerados na construção civil tem sido uma preocupação constante das construtoras. O processo de separação do lixo inicia, geralmente, nos próprios canteiros de obras, onde são construídos compartimentos individuais para a colocação de cada tipo de lixo. As orientações para que o processo se dê de forma correta são contínuas, para evitar danos à natureza e possíveis problemas às empresas.

“Nas edificações, há locais para o depósito de cada tipo de resíduo. Alguns materiais são aproveitados na construção, como é o caso dos restos de tijolos, cimentos e cerâmicas, utilizados, na maioria das vezes, para fazer a sub-base do piso. Esta é a forma de reutilizar o material, não despejando, desta forma, na natureza”, enaltece o engenheiro de segurança do Sindicato das Indústrias da Construção Civil (Sinduscon), Paulo Vilaça.

O recolhimento do material fica sob responsabilidade de cada construtora, que toma o cuidado de encaminhá-lo para os locais adequados. “Nas visitas que faço às obras percebo que muitos já separam os resíduos. Os que não fazem ainda ou que não contam com locais adequados são orientados a regularizar, já que isso pode gerar problemas futuros. O importante é separar e dar o destino certo para poder comprovar que não estão jogando em qualquer lugar”, coloca Vilaça.

De acordo com o secretário-executivo do Sinduscon, Fernando Vaz, a responsabilidade em dar o destino adequado ao material é das empresas, mas o Sindicado, por saber da importância do assunto, repassa informações aos associados, esclarecendo algumas dúvidas. “Quando nosso engenheiro de segurança visita as obras, ele aproveita para avaliar a questão dos resíduos da construção civil, pois é importante que todos saibam e tomem as medidas cabíveis em relação ao assunto”, observa.

 

 

 

Fonte: Sulinfoco

A Construção Civil e a Era Digital

Engenharia-na-era-digitalQue a internet tomou conta da vida de todos e revolucionou a forma de comunicação, já sabemos. Com a expansão das redes sociais  o setor da construção civil se tornou mais interativo. Segundo pesquisa divulgada pelo Google, o total de internautas nos três primeiros meses de 2014 foi de 108 milhões. Lembrando que em 2012 havia 83,4 milhões de usuários no país. O marketing e a comunicação realizados nas mídias digitais são mais uma forma para divulgar e vender os empreendimentos.

Na realidade, muito mais que vender o imóvel, as redes sociais projetam as empresas, pois assim  usuários da web podem verificar as informações a respeito das construtoras, analisar a opinião de quem realizou um negócio, verificar as notícias, fotos e vídeos que são disponibilizados pela incorporadora, entre outros. As mídias digitais são ferramentas de fortalecimento das marcas e, ao mesmo tempo, possibilitam que o futuro comprador conheça e pesquise mais sobre o empreendimento que tem em vista e avalie o histórico e a idoneidade da empresa da qual pretende comprar o imóvel.

Um exemplo de sucesso na internet no segmento imobiliário é a construtora Tecnisa, que vendeu, em 2009, um imóvel pelo Twitter. O preço do apartamento era 500 mil reais. O que estimulou a venda foi uma promoção oferecida pela empresa, 2 mil reais em vale-compras, mais armários planejados para os quartos e a cozinha. Claro, a Tecnisa é conhecida pelo seu trabalho nas redes sociais, pois investe e aposta nas mídias digitais e internet, de modo geral, para propagar o pensamento da empresa. Contudo, essa credibilidade que a internet propaga aos internautas só acontece quando há um planejamento de marketing aliado à comunicação da empresa. Se ambos não forem bem executados, podem trazer prejuízos para a marca.

O ingresso nas redes sociais é uma necessidade para as construtoras que pretendem estreitar o relacionamento com os clientes. Porém, o relacionamento marca-consumidor na web não deve ser analisado apenas pelos resultados em vendas, mas sim no melhor desempenho da empresa. As grandes construtoras de Santa Catarina já estão conectadas as mídias digitais. De fato, os empreendedores do setor já perceberam que a internet permite inúmeras possibilidades para aqueles que têm criatividade e pretendem inovar.

 

 

Fonte: Sinduscon / Seconci – Florianópolis

A importância do Habite-se

habiteseOs adquirentes de um novo imóvel costumam ouvir uma palavra quando chega o momento do recebimento da unidade adquirida, denominada Habite-se, que é concedido pela prefeitura da cidade onde o empreendimento imobiliário encontra-se localizado.

O significado desse documento, que é emitido tanto para prédios recém-construídos como para aqueles que passam por reformas, atestando que o edifício está pronto para receber seus ocupantes, ou seja, é uma certidão que autoriza o imóvel recém-construído ou reformado a ser ocupado.

Nesse sentido, ao ser concedido o Habite-se, o proprietário tem a garantia que a construção seguiu corretamente tudo o que estava previsto no projeto aprovado, tendo cumprido a legislação que regula o uso e ocupação do solo urbano, respeitando os parâmetros legais quanto à área de construção e ocupação do terreno.

Além de cometer um equívoco, o proprietário que muda para um imóvel que não recebeu a devida autorização da prefeitura, ele ainda está sujeito à multa, em função do Habite-se não ter sido liberado.

Da parte do construtor, este tem que cumprir uma série de requisitos para obtenção do Habite-se, antes de dar entrada no pedido de concessão, como os atestados das concessionárias de água e energia elétrica e do Corpo de Bombeiros, que comprovam a correta funcionalidade das instalações hidráulicas, sanitárias, elétricas e de combate a incêndio.

Após a solicitação, deverá aguardar a vistoria, onde será checado se o prédio foi construído segundo o projeto inicialmente aprovado, o que pode resultar no indeferimento, caso não tenha sido executado corretamente.

Isso mostra que a preocupação com o Habite-se não tem a conotação meramente formal, referente à regular documentação do imóvel, mas também relaciona-se diretamente à segurança dos futuros moradores, uma vez que instalações elétricas inadequadas ou instalações de combate a incêndio insuficientes podem resultar em futuros incidentes, que resultarão em ameaça à integridade dos ocupantes.

Entenda a importância da certidão do habite-se. Fique atento para os seguintes itens:

1- Imóveis que não têm a certidão do habite-se perdem o valor na hora da venda, pois estão na condição de irregulares perante a prefeitura;

2 – Contas de água, luz e telefone não significam que o imóvel esteja regularizado junto à prefeitura. Significa apenas que as exigências estabelecidas pelas concessionárias destes serviços foram atendidas;

3 – Carnês de IPTU também não significam que o imóvel esteja regularizado. Muitas prefeituras elaboram o cadastro das construções irregulares somente com o objetivo de arrecadarem impostos;

4 – Prédios residenciais ou comerciais não podem constituir condomínio legal, não sendo possível o estabelecimento de uma convenção que ampare os usuários e defina o rateio das despesas que são comuns;

5 – Entidades que financiam a compra de imóveis exigem a certidão do habite-se para que o empréstimo seja concedido;

6 – Estabelecimentos comerciais que não possuem a certidão do habite-se, não recebem alvará definitivo para funcionamento legal, tornando difícil a venda ou aluguel dos mesmos;

7 – Para a averbação (registro) do imóvel no Registro Geral de Imóveis, é necessária a certidão do habite-se.

Na hora de fazer um investimento imobiliário, evite dores de cabeça. Quando o assunto é padrão de qualidade de produtos e serviços, segurança para clientes e investidores, eficiência de recursos e transparência nas informações, nós somos especialistas.

Fontes:
Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura – Fórum da Construção
Revista Escolher e Construir

Condomínios e a Política da boa vizinhança

condominioCondomínio nada mais é do que ter o domínio comum sobre uma mesma coisa. No caso de condomínios verticais ou horizontais, é literalmente dividir entre várias pessoas o domínio sobre o jardim, o quintal, a garagem e a área de lazer de uma casa, conhecidas como áreas comuns nos condomínios.

Fazendo um paralelo com uma casa, todas essas áreas possuem problemas a resolver que, no caso do condomínio, depende da decisão de uma maioria e não de um só.

É certo que, dentro do condomínio, existe uma pessoa eleita pela maioria – o síndico – ou contratada – o síndico profissional – para resolver os problemas.

Assim, é lógico que, diante da convivência comum de tantas pessoas, cada uma com seu estilo de vida, surjam problemas de ordem prática: o barulho feito por um incomoda o outro; a festinha do mais expansivo incomoda o mais tímido; a sujeira de um incomoda o mais limpo; a bandeira de qualquer time de futebol pode incomodar o torcedor de outro time; a vaga presa gera discussões intermináveis; o uso da quadra e da piscina são temas de controvérsia; o horário do silêncio muitas vezes é tema para mais de quatro horas de Assembleia; sem falar nas reclamações sobre porteiros, zelador, faxineiras, prestadores de serviço…

Soma-se a tudo isso as implicâncias pessoais que um condômino pode ter com o outro por imperfeições natas do ser humano: vaidade, inveja, orgulho.

Desta maneira, mesmo que o síndico tenha um bom corpo diretivo e uma administradora competente ao seu lado, fica inviável administrar e resolver certos problemas de ordem cotidiana, quando esses envolvem sentimentos humanos. É necessário então que os condomínios contem com a ajuda de profissional especializado para resolver os problemas referentes à convivência diária entre os condôminos.

Atualmente, é recomendável – e extremamente necessário – que a administradora de condomínios mantenha, em seus quadros, um mediador de conflitos (pessoas especializadas na área) para atuar nos casos em que fica inviável à própria administradora e/ou ao síndico atuar.

Outra solução é a administradora firmar parceria com empresa séria e renomada no mercado, especializada em Métodos Alternativos de Resolução de Conflito, que trabalhe com Negociação, Conciliação, Mediação e Arbitragem, para que em cada caso possa se utilizar o método mais adequado.

Em ambos os casos, o corpo diretivo e a administradora estarão livres para se preocupar com as questões que lhes cabem, ficando delegado à pessoa capacitada em resolução de conflitos atuar nas desavenças condominiais cotidianas.

Afinal, não vale a pena levar ao Judiciário – que é caro e moroso – problemas que podem ser resolvidos na base do diálogo. Os condomínios podem – e devem – ter pessoas capacitadas em Negociação, Conciliação e Mediação. Resolver problemas não é difícil. Basta ter alguém para ouvir e entender os condôminos, fazer a leitura correta do problema instalado e, assim, ajuda-los a encontrar a melhor solução para todos.

Sem sombra de dúvidas, o negociador, o mediador e/ou conciliador são as pessoas indicadas para essa tarefa.

 

 

Fonte: Direcional Condominios

Programa Konkreta de Metas & Incentivo de Vendas

Aconteceu nesta sexta-feira, 06/06, no Hotel Slavieiro em Palhoça, o lançamento do “Programa Konkreta de Metas e Incentivos de Vendas”, com a participação de diversos parceiros do ramo imobiliário, corretores, gerentes comerciais, e amigos. O evento é uma iniciativa da Konkreta Construtora, com o intuito de surpreender, inspirar e premiar as equipes, e intensificar a busca pelo alcance das metas de vendas.

A lista de Imobiliárias participantes do programa, inclui: Feltrin, Personalité Imóveis, Martendal, Casa Fácil, Attica Negócios Imobiliários, Imobiliária Hora Certa, CRD Imóveis, Consular, Oliveira Imóveis, Itha Brasil, Marka Negócios Imobiliários, GOL Imóveis, Catarinense Imóveis e a equipe de vendas da própria construtora Konkreta.

Konkreta apoia Atleta Catarinense que competirá no Nitrix Champion Fight

Um dos principais eventos profissionais de MMA e o único evento Catarinense na grade do Canal Combate, o Nitrix Champion Fight entrou para o hall dos maiores eventos Nacionais. Alguns dos guerreiros que estarão atuando nesse UFC já passaram por renomados eventos Catarinenses como Floripa Fight, São José Super-Fight, entre outros.

10294984_10203769889675757_1549371641591233332_o

Atualmente em sua 21ª edição, o Nitrix Fight já foi realizadas em diversas cidades do estado de Santa Catarina e uma vez em São Paulo. Diversos atletas já foram revelados para os principais eventos mundiais, como UFC e Bellator.

A Konkreta Construtora, que apoia a causa de alguns atletas Palhocenses e um projeto com crianças da comunidade que visa a formação de jovens de bem e tornar o esporte acessível a todos, apoiará o atleta Catarinenses Ermesson Silveira “Legal”  (De lariva – Palhoça ), que enfrentará neste Domingo, Felipe Cruz (Team Tavares). O Evento terá início às 16h horas no Golden Executive Hotel ( Rua São Benedito Nº 50 – Serraria – São José/ SC) e será transmitido Ao Vivo pelo SporTV (card preliminar) e Combate (na íntegra).

Confira fotos da pesagem, e os dados do Atleta: 

Feirão de imóveis da Caixa acontece neste mês em 13 grandes cidades do País.

feirao-caixa-propria

A CEF (Caixa Econômica Federal) promove, de 23 a 25 de maio, a 10ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria em treze grandes cidades do País. Durante esse período, quem contratar o financiamento imobiliário poderá optar por pagar a primeira parcela somente em janeiro de 2015.

 

Para o vice-presidente de Habitação da Caixa, José Urbano Duarte, o Feirão está consolidado como um momento chave para a compra de um imóvel. “O Feirão foi uma das alavancas da aquisição da casa própria, nos últimos dez anos.e 2015. A condição vale para os financiamentos com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo), realizados durante a realização do evento, nos Feirões ou nas agências da entidade.

A primeira cidade a receber o evento deste ano é São Paulo (SP), de 2 a 4 de maio. Depois, o Feirão terá continuidade, entre os dias 16 e 18, em mais oito cidades: Brasília (DF), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA). O último fim de semana do evento será de 23 a 25 de maio nas cidades de Campinas (SP), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS) e Uberlândia (MG).

Participaram neste ano mais de 1.400 parceiros. São mais de 560 construtoras e cerca de 500 correspondentes imobiliários Caixa, além de 340 imobiliárias, que ocuparão os estandes do evento. Mais de 1.000 empreendimentos novos estarão com as suas unidades em oferta, nas 13 cidades onde acontecem os Feirões. A previsão inicial é de que o número de imóveis ofertados ao longo dos três finais de semana de realização do evento seja superior a 300 mil. Serão mais de 7.600 empregados Caixa envolvidos com a realização do Feirão neste ano.

Como adquirir imóvel no evento? -  Basta levar documento de identidade, CPF e comprovante de renda. Os interessados também podem obter informações em todas as agências da CAIXA ou pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (0800 726 0101), disponível 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana.

O prazo para o financiamento imobiliário da Caixa é de até 35 anos e as taxas de juros são a partir de 4,5% a.a, variando de acordo com a renda do tomador e o valor financiado.

O simulador habitacional da entidade também oferece novidades. A nova funcionalidade permite que o cliente saiba quanto pode financiar antes de definir o valor do imóvel. Os interessados podem realizar as simulações do crédito imobiliário no endereço www.caixa.gov.br.

>> Em Florianópolis, o Feirão da caixa ocorrerá dos dias 23 a 25 de Maio, no Centro de Convenções (CentroSul), Sexta e sábado, das 10h às 21h, e no Domingo, das 10h às 18h.

 

 

Fonte: Revista Zap Imóveis.