Aumento de juros para Financiar a Casa Própria

ilustracaoA Caixa Econômica Federal aumenta a partir desta segunda-feira (19) as taxas de juros do financiamento imobiliário. A alta valerá para os financiamentos tomados a partir de agora.

A Caixa informa que as taxas de juros dos financiamentos habitacionais contratados com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida e do FGTS não sofrerão qualquer correção em suas taxas de juros.

Serão corrigidas as taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais contratadas com recursos da poupança (SBPE). De acordo com a Caixa, a mudança vai afetar quem tem renda acima de R$ 5,4 mil, que não utiliza os financiamentos habitacionais contratados com recursos do FGTS. Atualmente, há uma série de condições para obter financiamento da casa própria com recursos do FGTS, entre elas estão renda de até R$ 5,4 mil e não possuir imóvel no mesmo nome nem no mesmo município.

A taxa de juros cobrada pelo Sistema de Financiamento Habitacional (SFH), que financia imóveis de até R$ 750 mil com recursos tanto do FGTS como da poupança, permanece em 9,15% para quem não é cliente do banco e sofre alteração para quem é cliente, incluindo servidores públicos (veja na tabela).

aumento-dos-juros-do-financiamento-mobiliario

Já pelo Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), que financia imóveis com valor acima de R$ 750 mil, a taxa de juros anual passará de 9,2% para 11% para os não-clientes.

O dinheiro do FGTS usado no financiamento que não sofrerá aumento da taxa não é o do trabalhador que está tendo seu imóvel financiado, mas vem do montante global depositado no banco. Já os financiamentos que são feitos com recursos da poupança sofrerão aumento nas taxas de juros. Nesse caso, o dinheiro utilizado no financiamento também não vem da conta do trabalhador, mas das poupanças que fazem parte do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE).

A Caixa informou que a alteração se deve ao aumento da taxa básica de juros, que atualmente é de 11,75%.

Os juros da Caixa para habitação costumam ser os menores no mercado e servem como referência para os demais bancos. A Caixa é líder no segmento de financiamento imobiliário, com participação de mercado próxima de 70%.

Taxa média cobrada por bancos está acima de 9%
A taxa média de juros para financiamento imobiliário cobradas pelos bancos privados e públicos no país estão acima 9%, segundo último relatório do Banco Central sobre operações de crédito.

Segundo o BC, a taxa média ficou em 9,23% ao ano, em novembro de 2014, ante taxa média de 8,84% registrada no mesmo mês de 2013.

As taxas médias informadas pelos bancos pode ser consultada na página do Banco Central.

Confira a seguir as taxas de juros pós-fixados cobradas pelos bancos em novembro:

Dentro do SFH, com taxas reguladas corrigidas pela TR (pós-fixada)
Banco do Brasil  – 6,1% ao ano
Caixa Econômica Federal – 7,32% ao ano
Banco de Brasília – 7,89% ao ano
Citibank – 8,13% ao ano
Banco Banestes – 8,27% ano
HSBC –  8,7% ao ano
Bradesco – 8,71% ao ano
APE Popex – 8,81% ao ano
Banco do Estado do Rio Grande do Sul – 8,84% ao ano
Santander – 8,89% ao ano

Dentro do SFH, com taxas reguladas pré-fixadas
Caixa Econômica Federal – 11,48%
Banco do Brasil – 12,1%
Santander – 12,31%

IMPORTANTE RESSALTAR: Aumento não atinge financiamento com FGTS ou Minha Casa, Minha Vida. Banco informou que alteração se deve a aumento da taxa básica de juros.

 

FONTE: G1

OS Resíduos na Construção Civil e suas Classes

Aguarde próximos lançamentoAtualmente a Construção Civil é reconhecida como uma das atividades mais importante no setor econômico brasileiro e também é apontada como grande geradora de impactos ambientais, pelo seu intenso consumo de recursos naturais e pela grande quantidade de resíduos produzidos, sendo responsável pela modificação da paisagem.

Uma pergunta vem como um grande desafio, como conciliar uma atividade produtiva da construção civil de modo que esse desenvolvimento seja conscientemente sustentável causando o mínimo de agressão ao meio ambiente? Motivados a perguntas como essa, que leis, políticas públicas e normas técnicas na gestão dos resíduos da construção civil foram e ainda são elaboradas.

Embora, mesmo com esses conjuntos de leis a prática não é satisfatória. Uma questão bastante complexa, requer grandes mudanças culturais e ampla conscientização. Conforme SINDUSCON-FPOLIS (2011), estudos apontam que o desperdício na construção civil pode chegar a 50%. A construção civil é responsável por cerca de 35% da extração de matéria-prima da natureza e aproximadamente 40% de todo o lixo urbano produzido diariamente é proveniente da construção civil.

Em alguns países europeus já se utiliza cerca de 95% de agregados reciclados nas construções. No Brasil este valor ainda não chegou aos 5%.

2. RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL E SUAS CLASSES

“Apenas quando o nível de degradação ambiental atingiu proporções alarmantes o homem tomou consciência da necessidade de preservação das
condições ambientais do nosso planeta.” (FREIRE, 2000, p. 13).

Os resíduos originados da construção civil tornam-se um problema para a população quando o descarte é feito de forma incorreta, despejados em terrenos baldios, em áreas de preservação permanente e em vias públicas. Apesar de todos os canais de informações e leis já aprovadas referente aos resíduos gerados na construção civil, convivemos no país com irregularidades quanto aos descartes e a não valorização de produtos reciclados ou reutilizados.

A construção civil é o setor de produção responsável pela transformação do ambiente natural em meio construído, adequado ao desenvolvimento das mais diversas atividades. Essa cadeia produtiva é uma das maiores da economia e, conseqüentemente, possui enorme impacto ambiental. (JOHN, 2000). Assegura o Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA – (2002) onde, determina que o gerador do resíduo deva garantir o acondicionamento dos mesmos até a etapa de transporte, avalizando a reutilização ou reciclagem, que deverá proceder corretamente desde a fonte geradora até as áreas de destinação.

Conforme TOSETTO (2011), tanto o uso de materiais convencionais ou reciclados na construção civil, dever estar submetidos as normas técnicas brasileiras e ao controle de qualidade de órgão como Inmetro, tendo assim a mesma qualidade e um custo mais baixo. De acordo a resolução 307 do CONAMA, que define critérios, procedimentos e diretrizes para a gestão dos resíduos da construção civil, “os resíduos da construção civil são os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obra de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso. telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc., comumente chamado de entulhos de obras, caliças ou metralha”.

2.1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Segundo as Resoluções 307, 348 e 431 propostas pelo CONAMA, os resíduos são classificados da seguinte forma:

I – Classe A – são os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como:

a) de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infra-estrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem;
b) de construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento, etc.,), argamassa e concreto.
c) de processo de fabricação e/ou demolição de pecas pré-moldadas em concreto (blocos, tubos, meio-fios, etc.,) produzidas nos canteiros de obras;

II – Classe B – são os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel, papelão, metais, vidros madeira e gesso;
III – Classe C – são resíduos para quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem
ou recuperação;
IV – Classe D – são resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como tintas, solventes, óleos e outros ou aqueles contaminados ou prejudiciais a saúde oriundos de demolições, reformas e reparos de clinicas radiológicas, instalações industriais e outros, bem como telhas e demais objetos e materiais que contenham amianto ou outros produtos nocivos a saúde.

Na próxima publicação, iremos falar sobre as LEIS E NORMAS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL e REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL.

Artigo por:  Daniel Neves
Arquiteto e Urbanista – Construtora
CAU/SC – 46126-1

Konkreta Construtora

Escola de Samba Palhocense realiza Projeto nos Bairros da cidade

A Escola de Samba Palhoça Terra Querida já está ensaiando para o próximo Carnaval, que apresentará na Passarela Nego Quirido.rio-carnaval-2015-logo

O desfile está marcado para os dias 13 e 14 de Fevereiro 2015. Através de sorteio ocorrido no Teatro Alvares de Carvalho (TAC) no dia 04 de Agosto, e por classificação pré-definida, a Liga das Escolas de Samba de Florianópolis (Liesf) ordenou a entrada na avenida das 12 escolas do Grupo Especial e de Acesso.

“Vamos marcar historicamente o Carnaval da cidade de Florianópolis e deixar mais claro e transparente como é feita a escolha”, disse Joel da Costa Jr, presidente da Liesf, sobre o sorteio feito por autoridades e representantes do Samba.

O Grupo de Acesso abrirá o Carnaval com apresentações no dia 13 de Fevereiro. A primeira a entrar na avenida será a Acadêmicos do Sul da Ilha, agremiação que ascendeu ao acesso por ter sido a primeira colocada dos Blocos em 2014, seguida pela Palhoça Terra Querida, segunda agremiação a desfilar.

Com o objetivo de levar mais de 1.500 componentes para incrementar o desfile Carnavalesco de 2015, Palhoça Terra Querida apresenta este projeto para arregimentar simpatizantes. Trata-se de uma apresentação semanal com duração de aproximadamente 01h e 30 minutos, a ser realizado em alguns dos mais de 20 bairros da cidade de Palhoça.

A Escola contará com um pequeno palco e aparelhagem de som com 4 caixas grandes, mesa de som com pelo menos 6 canais e 5 microfones. Além disso, haverá a participação de 18 ritmistas, 01 casal de mestre sala e porta bandeira, 01 rainha bateria, 03 intérpretes, 02 cavaquinhos, 02  mestres de bateria, 06 diretores, 01 rainha e 2 princesas e 12 componentes da velha guarda, totalizando 48 integrantes.

Música boa, Alegria e Samba no pé,  é o que não irá faltar. Fique de olho na programação e participe do Projeto Entre Bairros.
Informações: www.grespalhocaterraquerida.com.br

 

 

Feirão de imóveis da Caixa acontece neste mês em 13 grandes cidades do País.

feirao-caixa-propria

A CEF (Caixa Econômica Federal) promove, de 23 a 25 de maio, a 10ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria em treze grandes cidades do País. Durante esse período, quem contratar o financiamento imobiliário poderá optar por pagar a primeira parcela somente em janeiro de 2015.

 

Para o vice-presidente de Habitação da Caixa, José Urbano Duarte, o Feirão está consolidado como um momento chave para a compra de um imóvel. “O Feirão foi uma das alavancas da aquisição da casa própria, nos últimos dez anos.e 2015. A condição vale para os financiamentos com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo), realizados durante a realização do evento, nos Feirões ou nas agências da entidade.

A primeira cidade a receber o evento deste ano é São Paulo (SP), de 2 a 4 de maio. Depois, o Feirão terá continuidade, entre os dias 16 e 18, em mais oito cidades: Brasília (DF), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA). O último fim de semana do evento será de 23 a 25 de maio nas cidades de Campinas (SP), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS) e Uberlândia (MG).

Participaram neste ano mais de 1.400 parceiros. São mais de 560 construtoras e cerca de 500 correspondentes imobiliários Caixa, além de 340 imobiliárias, que ocuparão os estandes do evento. Mais de 1.000 empreendimentos novos estarão com as suas unidades em oferta, nas 13 cidades onde acontecem os Feirões. A previsão inicial é de que o número de imóveis ofertados ao longo dos três finais de semana de realização do evento seja superior a 300 mil. Serão mais de 7.600 empregados Caixa envolvidos com a realização do Feirão neste ano.

Como adquirir imóvel no evento? -  Basta levar documento de identidade, CPF e comprovante de renda. Os interessados também podem obter informações em todas as agências da CAIXA ou pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (0800 726 0101), disponível 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana.

O prazo para o financiamento imobiliário da Caixa é de até 35 anos e as taxas de juros são a partir de 4,5% a.a, variando de acordo com a renda do tomador e o valor financiado.

O simulador habitacional da entidade também oferece novidades. A nova funcionalidade permite que o cliente saiba quanto pode financiar antes de definir o valor do imóvel. Os interessados podem realizar as simulações do crédito imobiliário no endereço www.caixa.gov.br.

>> Em Florianópolis, o Feirão da caixa ocorrerá dos dias 23 a 25 de Maio, no Centro de Convenções (CentroSul), Sexta e sábado, das 10h às 21h, e no Domingo, das 10h às 18h.

 

 

Fonte: Revista Zap Imóveis.

 

Dia Internacional da Mulher – 08 de março

Homenagem ao dia da mulher

Homenagem ao dia da mulher

Nesta ultima sexta-feira, dia 08 de março, comemorou-se o Dia Internacional da Mulher. A Konkreta Construtora e Incorporadora não poderia deixar de parabenizar a todas as mulheres, em especial aquelas que fazem parte desta equipe. As guerreiras e responsáveis, que tornam nosso ambiente de trabalho mais agradável e bonito.
Um dia, o grande arquiteto Oscar Niemeyer falou: “Não há nada mais importante que a mulher, o resto é bobagem”. A todas mulheres, Parabéns pelo seu dia!